Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Esta é de morte...!

Chego à escola com meia hora de antecedência e, como é costume às terças-feiras, vou ter com a minha colega ao café mais distante do edifício escolar.

Depois das conversas da praxe, acabei por ficar a saber de uma norma nova que foi implantada na escola: racionamento de papel higiénico.

 

Foi encontrado num WC de meninas uma montanha de papel higiénico. Depois de se armar em CSI, a pinguim-mor, conseguiu descobrir a autora do "crime". Para analisar a prova, foi buscar a fita métrica (coisas de pinguins que não têm mais nada pra fazer...!) para medir a prova. O resultado que deu foi: dois metros e meio! Nem mais nem menos um centímetro.

 

Dadas as descompusturas da praxe, vossa excelência mor decretou o seguinte: de hoje em diante vai haver racionamento de papel higiénico! Assim, para as actividades de casa-de-banho fica estabelecido o número de folhas a usar:

 

- Xixi - 1 folha de papel higiénico;

 

- Cócozinho - 5 folhas de papel higiénico (que generosidade!)

 

Agora pergunto eu, algúma criança fica limpa em condições assim?!? Depois vá de haver assaduras e alergias... Ainda por cima o papel de lá é tão bom mas tão bom, tão bom, que quando nos limpamos, derrete-se todo. É o mesmo que dizer que... nos limparmos aos dedos!

Para Aliviar...

 

Parece que Portugal inteiro anda com problemas de entupimento. Designadamente em termos de trânsito. Que havemos de fazer? Que medidas adoptar? Pois bem, já há muitas soluções e alternativas para este problema.

 

Tenho ouvido algumas pessoas queixarem-se do trânsito. É normal… Afinal quem é que gosta que fique ali parado? Acabamos por nos enervar por a coisa não fluir normalmente e temos que passar pelo suplício da espera e do esforço até que as coisas se descongestionem. Há quem até se sinta mal com o trânsito parado!

 

Este problema revela-se bastante comum entre os cidadãos, pelo que me é dado a observar. Ele pulula um pouco por todo o lado. Para aliviar o problema, há quem recorra a estratégias como jornais, revistas, livros, jogos, palavras cruzadas, etc. na esperança que estas ajudem o trânsito a fluir mais rápido e menos dolorosamente. Rezamos, fervorosamente, para que o ritmo comece a normalizar.

 

Parece que agora é moda, um pouco por todo o lado, falar-se em trânsito e desenvolver-se novas ideias para que se entre num ritmo normal. O mais insólito é que, se para uns estas ideias são autênticos milagres, para outros são um autêntico exagero. Para estes, basta apenas muita calma, descontração e uma boa alimentação.

 

De manhã, à tarde ou à noite, durante as refeições ou fora delas, convém sempre ter em mente o trânsito. Cada organismo tem necessidades diferentes. Há que reabastecer as nossas defesas para resistirmos às agressões do dia a dia.  E há um leque variado de formas para o fazer.

 

Tenho a sensação que a preocupação do trânsito já tomou uma dimensão planetária. As estratégias para o seu combate começam a surgir nas coisas mais simples e elementares do nosso quotidiano.

Mas por outro lado, pergunto: e então quem não sofre por causa do trânsito? Também é obrigado a ter que gramar os “fluidores” de trânsito? Ora aqui está uma bela questão a ter em mente e sobre a qual gostaria de ter a vossa opinião…

Líquidos ou sólidos, de acordo com a preferência de cada um, invadiram o nosso mercado quase a obrigar-nos a ser consumidores compulsivos. Estratégia de marketing ou alerta geral?

 

Os microorganismos milagrosos encontram-se em iogurtes, água, cereais entre outra coisas que certamente desconheço!

Só espero que a febre das fibras, das bactérisa reguladoras do trânsito intestinal não façam uma invasão terreste, a nível global. Já imaginaram o que era o planeta inteiro com uma disenteria desenfreada?! Valha-me santo papel higiénico e nossa senhora da sanita livre!!!